terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Looqbox, 4 anos. Foi assim que começou.


Hoje o Looqbox completa 4 anos de existência! No dia 12/12/2013 ia ao ar a primeira versão beta Looqbox no Marche, empresa em que eu trabalhava. Na época, nossa solução se chamava Alpha, em homenagem ao WolframAlpha. Abaixo, o printscreen com o primeiro doodle comemorativo de Feliz 2014, na forma de contagem regressiva aritmética 10x9x8x7/6/5x4x3-2x1 (=2014).



A ideia inicial do Looqbox surgiu quando eu retornava de uma conferência nos EUA. Eu estava no táxi com o professor de astronomia da USP, Dr. Antônio Mário Magalhães. O prof. Mário queria fazer o tratamento computacional de imagens astronômicas de uma forma automática, e eu sugeri criar uma integração com o Gmail, que seria assim: o aluno enviaria a imagem por e-mail, e a imagem seria lida, tratada e respondida automaticamente com a aplicação de um algoritmo.

Fiquei com aquela ideia na cabeça, pensando em meu próprio trabalho: por que eu não fazia isso com as perguntas que recebia diariamente dos usuários do BI do Marche? Dessa forma, bastaria encaminhar para um e-mail específico perguntas sobre venda, estoque, preço etc., e ter imediatamente a resposta à mão. Assim, minha equipe também ficaria liberada de tarefas triviais para focar em assuntos mais importantes.

Foi como nasceu o MVP do Looqbox, em novembro de 2013. Mas logo percebi que o e-mail não era uma boa interface, e que uma caixa de busca à la Google seria uma opção bem mais atraente para o usuário. Nesse momento, conversei com o Daniel sobre o projeto, pois ele já tinha experiência no desenvolvimento de sites. Daniel morava na Alemanha mas, mesmo distante, ele abraçou a ideia.

Desde dezembro de 2013 muitas coisas aconteceram. Eu ainda trabalhava no Marche. Daniel voltaria da Alemanha em julho de 2014 para concluir sua graduação no Insper. Naquela época, tínhamos o Looqbox como um hobby, hobby que acabou se tornando uma atividade séria.

Em setembro de 2015, tomei a difícil decisão de sair do Marche. Eu tinha uma condição estável na empresa, ganhava bem, tinha perspectiva de crescimento em curto prazo e adorava a minha equipe e meu trabalho. Mas eu sentia que se não entrasse de cabeça no Looqbox deixaria escapar algo importante. Daniel e eu acreditávamos que tínhamos algo único na mão. E sabíamos também que o mundo da tecnologia é fugaz: se você perde o timing, a oportunidade se vai.

Após tomar coragem, fui até a sala do Bernardo, CEO do Marche, e resolvi contar minha decisão. A conversa me surpreendeu. Sempre direto, ele disse: Murta, você já deveria ter saído há uns 6 meses. Estou muito satisfeito com seu trabalho no Marche, mas esse negócio é do... caramba. Como empreendedor, não posso pedir para você ficar aqui. Vai lá e faz.

Agradeço ao Bernardo por esse empurrão... ou solavanco. Isso sim é incentivo ao espírito empreendedor. Agora a ideia não tinha mais volta.

Final de 2015 Daniel estava formado e eu fora do Marche. Tivemos a sorte de ter o apoio de nossos pais, e eu de minha esposa na época. Nossos pais fizeram um investimento anjo para darmos início ao projeto, e fomos aprovados para residir no Cubo (espaço coworking do Itaú). Estava iniciada a nova fase do Looqbox. Agora éramos uma empresa, tínhamos até um escritório e um CNPJ.

Planos feitos, Daniel mais focado na tecnologia e eu na operação/comercial, acreditávamos que até meados de julho de 2016 já teríamos receita para tornar a operação autossuficiente. E então veio a primeira experiência empreendedora pouco animadora: 2016 corria e as vendas não aconteciam. Foi um ano difícil, capital inicial acabando e nenhum cliente efetivo. Qual seria o problema: preço, mercado, interesse pelo produto, a crise que o país atravessava?

Com isso, aprendemos uma grande lição, que hoje compartilho com aqueles que querem montar um novo negócio. Se programem para, no mínimo, 18 meses sem receita; eu diria que 24 meses é o ideal, mas nunca 12 meses ou menos.

O tempo passou, 2016 acabou, e nada de vendas. Ensaiamos várias formas de precificação, e só em 2017 conseguimos pegar o jeito no manejo comercial. Como técnicos – Daniel Administrador e Programador e eu Físico e Programador – sempre fomos apaixonados pelo produto e temos muita segurança em navegar no mundo tecnológico, mas foi um grande desafio aprender a navegar no mundo comercial B2B Enterprise.

Finalmente, em março de 2017 fechamos contrato com o nosso primeiro cliente de grande porte, a Via Varejo. O desafio de conseguir uma grande conta merece um post à parte. Mas esse foi, sem dúvida, o momento mais importante de 2017: a confirmação de que o Looqbox atendia a uma real necessidade do mercado. 

Agora, outros problemas podiam entrar em cena. Sim, é importante para uma Startup que novos desafios se coloquem. Os problemas não desaparecem, eles apenas mudam de categoria. E, acreditem, é um alívio ter novos problemas, isso significa que outros já foram resolvidos. Hoje a questão não é mais sobre aceitação e precificação do Looqbox, mas a evolução do produto, como criar máquina de vendas, se devemos captar investimentos ou não, como crescer a equipe e definir metas.

Estamos fechando 2017 com novos clientes, com a equipe triplicada e alguns milhões de perguntas feitas no Looqbox. Aproveitamos para agradecer à nossa família, aos Looqers (vide foto), aos nossos clientes anjos, e ao suporte que recebemos do Cubo e de nossos amigos. Terminamos este ano comemorando as muitas conquistas alcançadas, e nada melhor que celebrá-las com o aniversário do Looqbox. Que venha 2018 com novos tipos de problemas, desafios e, é claro, clientes!



Curiosidade: 12/12 é aniversário do Looqbox, do Silvio Santos e do Frank Sinatra.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Juntando forças do Looqbox com o IBM Watson: o Projeto Looqdocs


Concorrentes ou complementares?

Desde que entramos no programa de Startups da IBM (GEP) no início de 2016, tivemos grande curiosidade de saber se haveria sinergia entre o Watson e o Looqbox. Naquele ano contávamos com uma equipe enxuta, e como tínhamos outras prioridades em vista, não conseguimos levar em frente o assunto. Essa dúvida se estendeu por mais de um ano: afinal Looqbox e Watson seriam ferramentas concorrentes ou complementares?

Para quem não conhece, o Watson é o sistema de inteligência artificial da IBM que ficou famoso em 2011 quando ganhou o programa de televisão americano Jeopardy de perguntas e respostas. Até então, só seres humanos haviam participado do programa, e a vitória do Watson trouxe imediata projeção internacional para o novo competidor digital. De lá para cá, a IBM vem disponibilizando essa tecnologia de computação cognitiva para que empresas possam utilizá-la em suas atividades.

Iniciando a interação

Neste ano finalmente conseguimos retomar o assunto com a IBM. Após nova aproximação, Caroline Dalmolin (Developer Advocate & Community Engagement na IBM) gentilmente nos ofereceu uma visita técnica para avaliarmos possíveis sinergias. Na visita tivemos o prazer de conhecer Stéfany Mazon, premiada desenvolvedora da IBM, que nos apresentou algumas funcionalidades do Watson. Para mim, a elegante definição de Stéfany para o Watson foi valiosa, e deixou claro logo de partida por que se trataria de algo complementar à nossa tecnologia. Ela nos contou que o Watson, por definição, é uma ferramenta para trabalhar com um tipo de dados que são conhecidos como não estruturados, como textos, sons e imagens. Ou seja, exatamente o oposto do que fazermos com o Looqbox, que tem como foco a busca de informações e indicadores em fontes estruturadas, como em bases de dados e APIs.

Após explorar alguns recursos dessa ferramenta da IBM, como o de reconhecimento de fala e reconhecimento de imagens, uma oportunidade nos chamou a atenção: a possibilidade de utilizar a busca de informações em bases de textos pelo Watson no Looqbox. Com certa recorrência, quando estamos conversando com potenciais clientes, somos questionados se o Looqbox tem capacidade de buscar dados dentro de uma massa de textos, como manuais de operação e procedimentos ou outros documentos da empresa. Até então, nossa resposta tinha sido não. Esse tipo de informação costuma estar em formato PDF, Word ou HTML. Para algumas empresas é um problema achar uma informação necessária em meio a uma quantidade grande de manuais e arquivos. Quando alguém em uma fábrica precisa acessar um manual de operação de uma máquina, ou quando um gerente de loja precisa consultar um documento para verificar um procedimento padrão, ter essa informação à mão de forma rápida pode fazer toda a diferença. Melhor ainda quando não é preciso buscar somente pelo título do arquivo, como é o mais comum, mas por uma palavra ou frase que se encontra dentro do arquivo. Foi aí que vimos a oportunidade interessante de uma parceria entre o Watson e o Looqbox.

A POC

Após alguns testes, vimos que não seria complicado integrar a solução da gigante azul com a nossa, e foi assim que nasceu o projeto Looqdocs (inicialmente projeto Looqson). Vimos que poderíamos juntar forças para ter o melhor dos dois mundos, de dados estruturados e não estruturados, em uma só ferramenta. Passados alguns dias, conseguimos montar o primeiro protótipo e o resultado foi um sucesso. Adicionamos os Posts do Blog Looqbox no Watson e conseguimos mostrar que, usando a integração, era possível encontrar qualquer artigo facilmente.

O foco do Looqbox ainda é sobre indicadores e dados estruturados. Mas agora podemos dizer que o Looqbox, em parceria com o Watson, tem seus poderes estendidos para o rico e inexplorado mundo dos dados não estruturados. Não por acaso, nosso propósito como empresa é:  "tornar os dados dos nossos clientes extremamente simples de serem consultados e utilizados". Juntar forças do Looqbox com o Watson só veio reforçar nosso posicionamento.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Evoluindo com os Feedbacks dos Clientes

Na vida de uma Startup evoluir com os feedbacks dos seus clientes é fundamental, mas nem sempre algo fácil de ser executado. A priorização é sempre um dilema no dia a dia da construção do produto. Com recursos limitados, quais features devem vir primeiro? Quais entregam mais valor para o cliente? Quais são especificidades de apenas um cliente e quais são melhorias escaláveis para o produto?

Aqui, uma boa relação com os clientes é fundamental. É imprescindível ter um canal direto com os usuários da sua solução. Abaixo mostramos 4 exemplos práticos de como as interações com nossos clientes trouxeram feedbacks positivos que fizeram o Looqbox evoluir de forma expressiva recentemente.



Caso  ViaVarejo - High Availability - HA
Ao lidar com clientes com grande número de usuários, como é o caso da ViaVarejo, um desafio que recebemos foi o da HA (sigla em inglês para Alta Disponibilidade). Como garantir que a aplicação nunca pararia? Se a aplicação depender de apenas 1 servidor no lado do cliente, ela sempre estaria suscetível à queda, caso o servidor saísse do ar. Daqui saiu nosso projeto - Don't Stop the Music, que fez uma grande transformação na nossa arquitetura, tornando o Looqbox passível de rodar em múltiplos servidores ao mesmo tempo, trazendo alta disponibilidade e escala para nossos clientes.

Caso Yandeh - Single Sign-onSSO
Alguns clientes, como a Yandeh, possuem seu portal próprio e gostariam de adicionar a ele um link para o Looqbox, de forma a ir para o Looqbox sem ter que logar novamente na aplicação. Essa tecnologia é conhecida como Single Sign-on, muito utilizada no mercado para evitar o trabalho do usuário de redigitar seu login e senha. Depois do feedback de alguns clientes, estudamos algumas soluções como OIDC e SAML, e partimos para o desenvolvimento, com sucesso.

Caso Linx Sistemas - Ambiente de Homologação
Grandes clientes costumam ter a prática de homologar suas soluções em ambientes separados antes de colocá-las em produção. Esse é o caso da Linx Sistemas. Como testar as respostas do Looqbox antes de publicá-las para sua base de usuários? É para isso que serve o ambiente de homologação. Em alguns casos, para uma quantidade menor de usuários, não é uma feature necessária, mas em casos maiores pode se tornar fundamental se a empresa quiser ter maior segurança na criação de novas respostas.

Caso StMarche - Rollback e Backup de Perguntas
Quando uma pergunta é aprimorada no Looqbox, mesmo que testada em homologação, há sempre a possibilidade de ocorrer algum tipo de erro e a necessidade de ter que voltar para a versão anterior. Outra situação ainda mais problemática é perder os dados do servidor e ter somente um backup antigo, ou mesmo não ter backup das suas respostas implementadas. O StMarche foi um dos primeiros a solicitar essa melhoria, há algum tempo, e isto já está incorporado na nova versão do Looqbox.

Depois de interagir com nossos usuários e priorizarmos esses tópicos, nosso time de desenvolvimento liderado por Daniel Murta trabalhou arduamente para entregar as novas features. Estamos muito contentes com nosso ciclo de feedbacks e continuamos trabalhando para construir melhorias que tragam mais valor aos nossos clientes, e contribuam para a evolução do Looqbox.


sábado, 16 de setembro de 2017

Looqbox no Shark Tank SAP Forum 2017

No início de agosto recebemos da equipe do Startup Focus SAP  um convite especial para fazer uma apresentação do Looqbox no SAP Forum 2017. Para quem não conhece, o SAP Forum Brasil é o maior evento de negócios e tecnologia da América Latina. Dura dois dias e tem como objetivo divulgar as novidades e tendências do mundo tech. Ficamos contentes com o convite e, ao mesmo tempo, um pouco apreensivos, pois não seria uma apresentação comum. Era para participar de uma edição especial do Shark Tank Brasil feito sob medida para o evento SAP.

Para quem não conhece, o Shark Tank é um programa internacional produzido pela Sony, no qual um grupo de investidores, denominados Sharks, assiste ao pitch de empreendedores interessados em captar investimento para turbinar suas soluções. Fazendo jus ao nome, os Sharks podem ser bem agressivos em suas críticas e propostas, cabendo ao empreendedor defender sua ideia e mostrar o valor e o potencial da sua solução. Se os Sharks gostarem, podem fazer proposta de participação na empresa e, se o empreendedor topar o que foi proposto, o deal é fechado na hora. Segue link com exemplo de um episódio do programa, para quem não o conhece.

Como toda startup, adoramos novidades e desafios, e aceitamos o convite para participar do quadro.
Foto dos Sharks
João Appolinário - Polishop // Cristiana Arcangeli - Beauty'in // Caito Maia - Chilli Beans // Robinson Shiba - China in Box

Na véspera da apresentação, logo após pegar algumas super dicas com minha amiga Maytê Carvalho, CEO da b.pass, que já participara do Shark Tank na TV, fui conhecer o palco do evento juntamente com o Camilo Telles, CEO da Antecipa. O espaço estava preparado para receber uma plateia de nada menos que 4.000 pessoas; outra grande plateia estaria assistindo por live stream. Para ilustrar bem as dimensões, segue foto do palco durante a apresentação do Camilo. Custei um pouco a dormir na véspera, repassando mentalmente meu pitch, empolgado com o que viria no dia seguinte. Como seria a interação com os Sharks? Seria a Looqbox devorada pelos tubarões? O que eles achariam da nossa solução? Algum deles teria interesse em investir?


Palco do Shark Tank no SAP Forum 2017

Rodrigo Murta - Looqbox // Bruno Franklin - SAP // Camilo Telles - Antecipa

Enfrentei um trânsito intenso de casa até o evento, e esqueci em casa meu crachá de palestrante, retirado na véspera,. Os organizadores me ligavam, preocupados, mas consegui chegar a tempo. Microfonia feita, era chegada a hora de subir ao palco. Por volta de 10:40 a Looqbox fora chamada com dizeres pomposos: "Agora convidamos para subir ao palco Rodrigo Murta, o empresário que está revolucionando a forma com que as empresas usam os seus dados no dia a dia". Frio na barriga e pitch na ponta da língua, subi ao palco e me coloquei diante dos Sharks para apresentar o Looqbox. Fiz o pitch em 3 minutos e abriu-se o espaço para o ataque dos Sharks. Todos muito dinâmicos e consistentes, perguntaram qual o público, mercado, faturamento, precificação, detalhes e diferenciais do produto. Defendi o Looqbox com unhas, dentes e arpões, e agora era chegado o grande momento do programa: teriam os Sharks interesse pelo Looqbox? Dariam lances para investir na solução?



Breve passagem do pitch Looqbox

Apresentando os fundadores da Looqbox
Daniel Murta e Rodrigo Murta

Um pequeno parênteses antes do clímax... Queria contar um pouco dos bastidores. No dia seguinte (que também foi especial, era aniversário do Cubo) amigos e clientes me perguntaram como funcionava o ensaio do Shark Tank. Acredito que o mais legal do programa é justamente isso: não tem ensaio! A interação foi autêntica e os questionamentos foram todos elaborados na hora. Os Sharks não conheciam o Looqbox, nem vice-versa. Acredito que aí está o sucesso do programa: o nervosismo, a tensão e as reações são naturais, e é isso que acaba por cativar e envolver o público.

Voltando ao fechamento, veio a grande surpresa, 100% dos Sharks tiveram interesse pela nossa solução e fizeram propostas para ter participação na Looqbox. Em poucos segundos tive que avaliar os lances e fazer alguma contra-proposta. Em resumo: a Cristiana Arcangeli propôs ajudar na expansão  internacional, o Caito queria focar no Brasil e ajudar com sua rede de lojas, o Apolinário propôs uma mordida maior de participação que os demais, e a Camila uma mordida igual à da Cris, mas com uma avaliação de POC de 6 meses. Como nossa ambição é global, aceitamos a proposta da Cris e fechamos negócio! Segue foto do momento ápice da apresentação, em que Cris e eu celebramos o fechamento do negócio.

Momento do fechamento de negócio com a Cristiana Arcangeli

Para nós foi surreal participar do programa e agradecemos imensamente ao time SAP, especialmente ao Bruno Franklin, pelo convite, à Sony pela super produção e pelo trabalho de divulgação do vocabulário empreendedor para o público em geral e, finalmente, aos Sharks pelo interesse e pelos ataques super construtivos. Virei fã do programa e, é claro, dos Sharks que depois nos receberam com carinho nos bastidores.

Rodrigo Murta e Caito Maia
-------
Uma nota importante: o propósito da apresentação promovida pela SAP não era captação de investimento, mas sim apresentar as startups ao público do Forum. Todos os números e dados que foram expostos na apresentação foram reais, mas os lances finais de investimento pelos Sharks eram uma simulação, e nenhum aporte por parte dos Sharks será realizado.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Vem ai o Cubo 2.0!

Há 3 meses, quanto completamos 500 dias no Cubo escrevi um post contando um pouco sobre como funciona o Cubo e quais as vantagem de fazer parte do espaço. Ontem, 100 dias depois, fomos informados em uma coletiva de imprensa que grandes novidades estão a caminho.

Inaugurado em setembro de 2015, podemos dizer em startupês, que o Cubo foi um MVP feito pelo Itaú para testar como o Banco poderia se aproximar da inovação e contribuir para o empreendedorismo brasileiro. Bem, podemos dizer que nesses quase 2 anos que se passaram, o projeto foi um sucesso, sucesso tão grande que o Itaú decidiu dar um próximo passo.


Uma aflição natural para as Startups que são residentes no Cubo, como a Looqbox, é que quando o negócio começa finalmente a engrenar, a equipe e a carteira de clientes começam a crescer, você tem ir embora, pois o espaço só comporta atualmente times com no máximo 25 integrantes. Como diz Flávio Pripas, diretor do Cubo, quando a Startup fica com um tamanho interessante para contribuir com as outras e interagir com empresas maiores, ela tem que sair do Cubo.

Mas, sem mais delongas, e com muita satisfação, ontem foi anunciada a nova versão do Cubo, versão amplificada 2.0, ultra, hyper do que já era excelente. Com deploy previsto para o 1º trimestre de 2018, o Cubo 2.0 tem como meta ser referência no que faz, e colocar São Paulo no epicentro do empreendedorismo mundial. Os números são bizarros de bons, e deixaram os residentes de queixo caído quando foram anunciados. Seguem alguns números, abaixo:


Como mostrado no quadro acima, o Cubo 2.0 é 4x em estrutura e 25x maior em possibilidade de interações (cálculo só entre residentes) uma verdadeira máquina de serendipidade. O prédio de 12 andares contará com auditório para 800 pessoas e Rooftop com espaço para elaboração de grandes eventos. Sem entrar em detalhes, segundo CIO do Itaú, Ricardo Guerra, o prédio não só acolherá startups de tecnologia, como será ele mesmo um dos mais tecnológicos do mundo. O endereço? Difícil de ser tão bem localizado em São Paulo, Alameda Vicente Pinzon 54, no coração da Vila Olímpia.




Parabéns ao Itaú e à RedPoint pela expansão da iniciativa. Estamos animados para continuar essa jornada e crescer ainda mais, em breve, no Cubo 2.0.




terça-feira, 8 de agosto de 2017

Qual a relação da Amazon e o Coworking?

Quando o serviço de computação em nuvem da Amazon foi lançado em  25 de Agosto de 2006, a linha do tempo nas empresas de tecnologia sofreu uma ruptura e passou a ser dividida em AA e DA, antes da Amazon e depois da Amazon. Por que? Porque a Amazon tornou possível a contratação de servidores de uma forma completamente nova e escalonável. Iniciar uma Startup de tecnologia se tornou subitamente mais barato e mais rápido uma vez que não era mais necessário comprar servidores, instalá-los e ter alguém no time para cuidar de sua manutenção. Desde então, basta entrar no site da AWS (Amazon Web Service), configurar sua máquina e... voilà, sua mais nova criação está pronta para ser apresentada ao mundo.

Ok, hoje não é mais necessário espaço para servidores na sua Startup, mas como fica o time? Ele também cresce. Não seria interessante ter uma estrutura de espaço escalonável para a sua equipe também? Não seria interessante não ter que se preocupar com mobiliário, internet, estacionamento, sala de reunião, manutenções do dia a dia, limpeza? É aqui que entram os coworkings. Eles são como a Amazon, só que para acolher o seu time. Sua equipe pode crescer e o espaço ocupado também pode crescer conforme a demanda. Escrevemos sobre o Cubo há 3 meses e naquele momento enfatizamos o valor dos coworkings como espaço de relacionamento mas não comentei sobre este aspecto funcional do espaço como um valor a mais de se trabalhar em um coworking.

Com o crescimento do time Looqbox, ficou muito claro para nós que essa também é uma vantagem importante. Com a graduação da Linte (Startup Jurídica de Gabriel Senra) vagou uma sala super bacana que agora é a nova casa do Looqbox aqui no Cubo. O coworking nos permite focar no negócio e blinda a empresa de problemas comuns do dia a dia, problemas de quem teria que cuidar da sua própria infraestrutura.

Não é à toa que vários espaços de coworking estão surgindo no Brasil, dos mais diversos tipos: desde empresas brasileiras, como a criativa e aconchegante OddBall e a super badalada Plug, até as globais, como a recém lançada e gigante WeWork, que é um super sucesso, abrindo as portas com todas as posições já ocupadas.


Acreditamos que os coworkings são um movimento irreversível e que vieram para ficar. Aproveito e deixo aqui o convite para quem quiser conhecer nosso novo espaço aqui no Cubo e vir tomar um Looqcoffee conosco.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

500 dias do Looqbox no Cubo!

Hoje, dia 15/05/2017, estamos completando 500 dias do Looqbox no Cubo, o espaço de Co-Working do Itaú. Aproveito a data para contar um pouco sobre como funciona, por que funciona e como está sendo a jornada do Looqbox por aqui.

Time Looqbox!
Ficamos sabendo do Cubo pelo professor de empreendedorismo Marcelo Nakagawa, que é conhecedor/apoiador do projeto do Looqbox desde seu estágio embrionário. Nakagawa nos contou que iria inaugurar em São Paulo um espaço voltado para Startups de tecnologia fundado pelo Itaú e pela RedPoint e.Ventures. Ficamos animados em conhecer o lugar, e o Daniel (co-founder Looqbox) conseguiu um convite para o evento de abertura. Foi amor à primeira vista. Eu estava no Vale do Silício na época, e assim que o Daniel saiu do evento ele me mandou uma mensagem: "temos que estar nesse lugar, é muito bacana!".

Passamos por um processo de entrevista com o diretor do Cubo, Flávio Pripas. Após preencher alguns formulários e depois de alguma espera, fomos selecionados para sermos residentes do espaço. Iniciamos em janeiro de 2016. Um pouco antes de entrar, tivemos dúvida se não seria melhor economizar e programar em casa. Valeria a pena o investimento? Logo logo perceberíamos que a resposta era um retumbante SIM, valeria cada centavo.

Afinal, o que é o Cubo? O Cubo é uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão fomentar o ecossistema de empreendedorismo no Brasil. Segue definição do Flávio Pripas, diretor do Cubo:



Quando me perguntam por que o Cubo, gosto de separar minha resposta em 3 partes: Credibilidade, Clientes e Troca de Experiências.

Credibilidade

Mais de 800 Startups participaram do processo de seleção do Cubo e atualmente o espaço conta com 60 Startups residentes. O processo de seleção funciona como um selo de qualidade para as Startups: é muito mais atraente apresentar-se para uma empresa tendo a chancela do Cubo.

Clientes

Uma outra grande vantagem de ser residente do Cubo é a visibilidade das Startups perante o contínuo fluxo de empresas que vem conhecer e realizar eventos nesse espaço. Principalmente para Startups com soluções B2B, aqui temos uma excelente oportunidade de apresentar nossos produtos e fazer negócios. Hoje o Looqbox ainda não conta com prospecção ativa, todos nossos leads e contatos foram gerados pelo "comercial Cubo", que serve como uma grande vitrine para os residentes.

Troca de Experiências

O empreendedor do Cubo tem idade média de 36 anos e normalmente não está em sua primeira empresa, trazendo consigo uma bagagem considerável de experiências anteriores nos mais diversificados mercados corporativos. Nesse sentido, a troca de experiências entre os residentes é extremamente rica! Usamos o Slack como ferramenta de comunicação interna e temos uma conexão muito forte entre nós. É comum reunirmos para tratar dos mais diversos assuntos, que vão desde contratos, clientes, investimentos, códigos, até a troca de livros interessantes e o compartilhamento de novas descobertas no mundo do Empreendedorismo e das Startups.

Para fechar esse post, deixamos aqui nosso enorme agradecimento à equipe do Cubo, que tem trabalhado intensamente para que o espaço continue sendo uma referência para o Empreendedorismo e as Startups do Brasil.